Sala Virtual

Já pensou em sua Família como se fosse uma Empresa?

Algumas vezes temos algum problema e não sabemos por onde começar, como por exemplo, as questões familiares. Pensando nisto, será que poderíamos trazer o que sabemos sobre empresas de sucesso para ser aproveitado no núcleo familiar?

Refletindo a respeito, problemas familiares todos têm, mas como são resolvidos pela sua família? Os erros são considerados problemas ou aprendizados? Todos ficam satisfeitos com os resultados? As sugestões familiares são impostas ou debatidas? As empresas têm objetivos, então trazendo para o tema familiar, o que se espera dos membros da sua família daqui à cinco anos, dez ou mais tempo. Quais são as metas dos filhos? E o projeto familiar? Todos se propõem a colaborar com ele? Afinal, você está administrando bem sua família?

Comparando e aprendendo

Em algumas empresas encontramos chefes que são ausentes e muitas vezes nem sabem o que acontece no dia-a-dia. Só cobram resultados, tornando-se figuras de baixa influência no processo, quando o melhor seria o contrário. Há gerentes que não interagem adequadamente e dificultam a comunicação entre departamentos. Acham que sabem tudo, cobram o tempo todo e pior: não escutam seus colaboradores.

Os supervisores, tensionados, de um lado, pela cobrança dos superiores, e do outro, pelas reivindicações dos colaboradores, lutam para manter o foco e obter bons resultados. Aos colaboradores, resta o acúmulo de atividades no dia a dia.

Geralmente quando os problemas surgem numa empresa, contrata-se uma consultoria para dar suporte gerencial ou treinamento, a fim de identificar e reduzir pontos fracos das equipes para não perder de vista as metas.

Para melhorar a qualidade de vida, busca-se aliviar as tensões através de atividades extras com fisioterapeutas, acupunturistas e outros especialistas. Em alguns ambientes usa-se música, em outros, prêmios de fim de ano, enfim são várias as modalidades e as atitudes para se estimular e beneficiar os “talentos humanos” que ajudam a fazer o sucesso de um empreendimento.

Mas, como agir em família?

Que tal aplicar em família alguns conceitos, que funcionam bem nas empresas, para resolver as questões do dia-a-dia, como por exemplo, assertividade, comunicação, cooperação, feedback, proatividade e investimento no relacionamento? Lembrando o significado de cada um:

Assertividade é a capacidade de se posicionar numa conversa, com objetividade, respeitando o direito do outro; comunicação é a capacidade de se expressar de maneira clara com o outro de forma que ele possa entender perfeitamente; cooperação é a disponibilidade para colaborar nas atividades; feedback é dar ao outro informações que possam melhorar seu desempenho/conduta; proatividade é identificar, antecipadamente, as dificuldades que possam vir e buscar soluções; relacionamento é, enfim, a capacidade de conviver, respeitar e interagir de maneira harmoniosa.

As dificuldades em lidar com os conflitos familiares, a dispersão dos objetivos e metas, a desarmonia entre os membros e tantas outras dificuldades instigam uma pergunta objetiva: que providências tomar?

Podemos considerar que a falta de assertividade em si gera passividade ou agressividade. A dificuldade da comunicação atinge várias áreas, mas a principal é a incapacidade de ouvir o outro. A inexistência da cooperação é a demonstração da falta de colaboração em atividades importantes para atingir os objetivos familiares. Dar feedback de forma inadequada é criar desmotivação.

Sem proatividade, os projetos poderão ir muito bem, mas o resultado final pode fracassar. A carência de normas e padrões nos relacionamentos constrói um ambiente hostil e de desrespeito.

É difícil implantar mudanças, principalmente quando afetam costumes, crenças e valores. Mas o importante é começar e pode ser a partir de uma ação simples, como por exemplo, reunir a família para que todos tenham oportunidade de falar e de serem ouvidos. Das queixas surgirão sugestões que podem ser aplicadas de imediato ou a médio e longo prazos, permitindo que se organize um plano de ação individual e familiar para os próximos dias, meses e anos.

Nessas “avaliações” familiares vai se definindo quem é o líder, quem são os colaboradores, gerentes e supervisores, e em que precisam melhorar. Também se percebe se é necessário contratar algum profissional para reduzir a dificuldade de um familiar ou, ainda, descobrir que regras devem ser implantadas para diminuir os conflitos e melhorar a qualidade do clima em família.

Com certeza existem outras formas de melhorar o núcleo familiar, mas a ideia aqui é lembrar que os cuidados e necessidades para melhorar a convivência e a produtividade no ambiente de trabalho também são importantes na nossa casa.

* Texto publicado em 21/12/2009 nos sites Ig Educa e IBM. Psicóloga está credenciada no Facilitando sua Vida, na cidade do Rio de Janeiro/RJ.

Para saber mais

Leitura recomendada:

Famílias e Casais – Do Sintoma ao Sistema
Salvador Minuchin


Deixe um comentário